RESISTÊNCIA – Conceição Maciel
Eras carga como qualquer objeto ou bicho.
Eras escravo e em teus olhos brilhava a desesperança,
em meio às lágrimas de dor e raiva,
misturadas ao suor salgado do trabalho explorado.
Teu olhar sofrido sobressaiu na multidão chorosa.
A força da tua grandeza refletiu na luz do teu olhar.
Pele negra! Sangue quente!
O sangue que brotou do teu corpo molhado de suor e lágrima,
de dor e humilhação, no tronco disposto ao luar,
manchou a mãe África de ponta à ponta.
Tua pele preta brilhou na noite escura
e teu grito de dor ecoou noite à dentro,
misturado ao batuque dos teus irmãos.
As correntes foram quebradas,
mas continuam invisíveis,
machucando fortemente.
Resististes bravamente! Tuas lágrimas não foram vãs.
Teus lamentos vagam até hoje nas canções que resistem ao tempo.
E os olhares que te seguem pelas ruas,
são como os rios da África: atravessando lembranças,
secos pelo rancor.
São olhares que te fortalecem, resistentes feito rocha.
As narrativas que guardam tua história,
lapidadas em puro encantamento e tristeza,
contradizem os encontros que recuperam tua identidade
que não pode desaparecer num fio de memória,
num enredo de luta e resistência.

Que a glória não se demore. Já é tempo!

(Texto premiado no Concurso de Poesia as Minorias Sociais do Brasil e publicado na antologia Resistências)

(Link da rede social 👆)
CONHEÇA O AUTOR

Poetisa Maria da Conceição Maciel da Silva, nascida em 01 de maio de 1970 em Salinópolis estado do Pará, porém reside em Capanema-Pa há mais de 30 anos, considerando-se cidadã capanemense. Casada, mãe de 3 filhos, foi agraciada com a beleza de ser avó de um lindo garotinho. É funcionária pública estadual. Formada em Letras pela Universidade Federal do Pará. Assina seus escritos como Conceição Maciel e/ou Con Maciel.

Desde muito jovem, ainda na escola, adquiriu o hábito da leitura fomentando em si o amor pela escrita. A Poetisa vem se destacando no cenário literário nacional e internacional, sendo agraciada com premiações por seus relevantes escritos. Sua versatilidade inclui contos e prosas, assim como crônicas e artigos. Tem dezenas de poesias publicadas em antologias espalhadas pelo Brasil e o mundo.

Foi premiada em concursos de âmbito nacional e internacional. É cronista do Jornal de Capanema (JC); tem participação assídua no Projeto “Poetas del mundo” no Chile; grupo Escritores Eleutheros na Argentina; na Revista Eisfluencia de Portugal e na Alemanha; revista LiteraLivre; Revista Inversos; Jornal Correio da Palavra; Jornal Correio do Norte; Jornal Agita, do Rio de Janeiro; Antologia pelo dia do Livro, no Uruguai, entre outros ambientes literários.

A Poetisa é acadêmica da Academia Capanemense de Letras e Artes – ACLA ocupando a cadeira de n° 10.

Acadêmica Correspondente da Academia Internacional de Artes, Letras e Ciências – ALPAS 21 (A palavra do século XXI), ocupando a cadeira de n° 173.

Acadêmica da Academia Mundial de Cultura e Literatura (AMCL), sendo titular da Cadeira de nº. 51 tendo como Patrono Bruno de Menezes.”

É Destaque Cultural Poesias sem Fronteiras (2018).