DESINSPIRADO
(22.10.1990)

Eu fico até tarde, no meio da noite,
tentando escrever algo para ti
e quando reclamo que nada ilumina
percebo que algo eu já escrevi.

Eu junto palavras, de forma harmônica,
tentando em versos algo conceber,
mas sinto que é tudo vazio de ideias
quando paro a escrita e começo a reler.

Em tua homenagem em tento um terceto,
Só que não consigo e, então, eu me irrito.
Pois não faz sentido tudo o que escrevi.

Termino, aqui, então, o soneto,
Mas eu retifico o que havia dito:
O sentido dele é ser para ti.

O AUTOR

Publicitário, jornalista e relações-públicas, João Carlos Silva Cardoso nasceu no Rio de Janeiro em 27 de março de 1971. Mora desde poucos dias de vida na Ilha do Governador, tendo saído somente por seis meses para viver em Pequim, a trabalho, em 2018.
Além da formação em Comunicação Social, ramo em que trabalha desde 1992, J.C.Cardoso também é músico com registro e, nas horas vagas, poeta. Os poemas aqui apresentados são dos anos 90, período em que mais criou.

 

 

 

Meu site pessoal:
www.joaocarlossilvacardoso.com.br