Mais popular produto de entretenimento gratuito do país, a telenovela vem se transformando radicalmente nas últimas décadas. Para falar dessas mudanças em suas temáticas, um debate agitou a livraria da Travessa de Botafogo, na Zona Sul do Rio, na noite de terça-feira, 20. Na ocasião também houve uma sessão de autógrafos do livro “O que as telenovelas exibem enquanto o mundo se transforma”, do jornalista e pesquisador Valmir Moratelli.

 

Tendo como mediadora a professora da PUC-Rio Tatiana Siciliano, que assina o texto de apresentação da obra, a mesa também contou com a presença da autora Rosane Svartman, que assina “Bom Sucesso” com Paulo Halm, e do ator Romeu Evaristo, também de “Bom Sucesso”. Os temas tabus foram o alvo da discussão da noite. “Certos temas retratados nas novelas da emissora líder do país não acompanharam a velocidade das transformações sócio-políticas ocorridas nas duas décadas analisadas: o papel da mulher, do negro e da diversidade sexual”, disse Tatiana.

 Valmir entrevistou diversos autores e diretores da TV Globo para traçar um panorama de temas que têm se modificado de acordo com as políticas sociais do país. “Uma das autoras que me deu depoimento diz que sua inspiração para escrever é abrir a janela e ver o que acontece nas ruas. Essa frase é uma síntese da pesquisa. É a agitação das ruas que pauta os autores de novelas, e um dos motivos para essa hegemonia durar tanto tempo. Entender novelas é entender nossos tempos”, disse Valmir.

 

Autora de “Bom Sucesso, que tem tido ótimos índices de audiência para o horário das 7, ultrapassando a marca dos 30 pontos, Rosane falou sobre a importância de se romper estereótipos na televisão brasileira. “A gente precisa buscar referências nas ruas, no que as pessoas anseiam e falam, conversam, o autor não pode viver enclausurado”, disse a autora, bastante aplaudida. Romeu, que faz parte do elenco de sua novela, concordou.  “É necessário esse contato para o ator também, eu gosto de ser abordado nas ruas, até pra sentir como estão reagindo ao meu trabalho”, disse o ator, que encerrou a noite cantando um samba de sua autoria em homenagem a Zumbi dos Palmares.

Também estiveram presentes ao debate os atores João Sales e Paula Frascari. O livro, que também teve debate concorrido durante a programação extraoficial da FLIP, em julho, é resultado de mais de dois anos de pesquisa. E terá mais um lançamento, dessa vez na Bienal Internacional do Livro, no dia 1º de setembro, às 16h, com bate-papo com o autor no stand da editora Autografia, no Riocentro, Zona Oeste do Rio.