Carmen Maria Machado, autora americana de origens cubana e austríaca, está confirmada para a Flip 2019, que acontece de 10 a 14 de julho, em Paraty. Com seu livro de estreia O corpo dela e outras farras (Planeta, 2018), foi finalista do prestigioso National Book Award e venceu o Lambda Literary Award – maior premiação literária do meio LGBTQ. A obra, composta por contos que passam por diferentes gêneros como horror e ficção científica, trata essencialmente sobre mulheres – as violências que vivenciam, seus desejos e desesperos. Antes da publicação, que será adaptada para televisão, Machado publicou ensaios, ficção e críticas em uma variedade de veículos – entre eles as revistas New YorkerThe Believer e o jornal New York Times.

 

“O que mais chamou atenção nos contos da Carmem Maria Machado foi a capacidade de fazer humor com assuntos delicados e muitas vezes brutais sem descambar para a autodepreciação ou o preconceito. Ela trata de questões do feminismo, mas também de cultura pop e política de uma forma mais geral usando elementos de gêneros literários como a ficção científica, o terror e até mesmo sinopses de séries de TV”, diz Fernanda Diamant, curadora da 17ª Flip.

Para Mauro Munhoz, diretor geral e artístico do programa principal da Flip, “Carmem Maria Machado retrata o corpo ao se desfazer dos engessamentos provocados por séculos de violências de diversas ordens”.

A autora e a obra

Natural de Allentown, na Pensilvânia, Carmen Maria Machado teve seu nome incluído na lista das 15 mulheres da nova vanguarda da ficção, publicada pelo New York Times, onde também estrela Sheila Heti, autora convidada da Flip 2019.

A publicação de O corpo dela e outras farras, originalmente em 2017, veio de encontro com um momento de ruptura na indústria cultural hollywoodiana. A obra – que aborda temas como sexismo e misoginia – saiu dois dias antes das manchetes que denunciavam as primeiras acusações de assédio contra o ex-produtor Harvey Weinstein. Nesse momento, nascia o movimento Me Too e também a trajetória ascendente de Machado, de 32 anos, como uma forte voz feminina da literatura de língua inglesa.

A coleção de oito contos, todos narrados por mulheres, levou cinco anos para ser escrita e foi inspirada pelo estilo de autoras como Shirley Jackson, Kelly Link, Karen Russell, cujos trabalhos gravitam entre o horror, a ficção científica e a fantasia. É por meio de uma narrativa ficcional que Machado chama atenção para a violência, o machismo e a masculinidade tóxica que agridem mulheres diariamente.

O livro, que esteve nas seleções de melhores do ano do The Washington Post, LA Times, The Paris Review, entre outros, será adaptado para o canal FX como uma série antológica semelhante à Black Mirror.

Em outubro, Carmen Maria Machado lançará no Estados Unidos, no Reino Unido e no Canadá o memoir In the Dream House.

Flip 2019

A 17ª edição da Flip acontece de 10 a 14 de julho, em Paraty, e tem o escritor Euclides da Cunha como Autor Homenageado. Estão confirmados os nomes de Walnice Nogueira Galvão, Kristen Roupenian, Kalaf Epalanga, Sheila Heti e Grada Kilomba.

Quem faz a Flip

A Flip tem o patrocínio do Ministério da Cidadania, através de sua Secretaria Especial de Cultura, a partir do Edital de Feiras Literárias e por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, além de Patrocínio Oficial do Itaú e Copatrocínio da EDP e da CMPC. A edição 2019 continua em fase de captação de recu